Pesquisar neste blogue

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

18 de Dezembro de 2010 - Lançamento do Livro de EDUARDO TEIXEIRA PINTO


www.amarante.pt

Livro disponível em:

Amarante - Doçaria Mário - Rua Cândido do Reis
Porto - UNICEP - Cooperativa Livreira - Praça Carlos Alberto, 128-A

domingo, 19 de dezembro de 2010

Lançamento do Livro: Eduardo Teixeira Pinto - A Poética da Imagem




Eduardo Teixeira Pinto - A Palavra a Antero de Alda

Eduardo Teixeira Pinto é um fotógrafo de um mundo que já quase não existe.
Na verdade, estamos a atravessar uma era de (quase) catástrofe. Algo que Barthes definiria como um «punctum», um momento de dor e angústia para muitos de nós, decerto para as nossas representações, para o ‘cliché’ que faríamos de nós mesmos. Lula Pena, essa estranha voz do fado (do fado exquis ou o fado esquisito), disse um dia: «o silêncio não assusta» e «a velocidade é uma coisa que não é humana». É certo: ruído e velocidade caracterizam tragicamente este tempo de passagem.
Não se trata de um fenómeno novo: Mallarmé, Baudelaire, Rimbaud e até Paul Célan experimentaram já esta asfixia no passado. Cultivaram-na, mesmo. Walter Benjamin, o famoso filósofo alemão, chamou-lhe «spleen». O «spleen» é aquilo que nós podemos designar por «doença do tempo». Se se pode dizer assim, o tempo está em mudança da pele, numa impiedosa metamorfose.
Vivemos hoje numa parede entre duas esquinas. Vislumbramos, por um lado, o fim de uma era – o fim do capitalismo selvagem, dizem alguns; definitivamente, o fim daquilo que se convencionou chamar o pós-Modernismo. Temos, por outro lado, ainda um pé (a recordação dos nossos antepassados e a memória da nossa infância) num outro tempo. Estamos, portanto, divididos, com a alma dilacerada, em chagas.
Para os mais pessimistas (ou mais incapazes) restará aceitar esta perda: os próximos anos serão de psiquiatras e coveiros. Para nós deverá ser um tempo de reconstrução…
Repito: Eduardo Teixeira Pinto é um fotógrafo de um mundo que já quase não existe. Dito por outras palavras, é um fotógrafo de um tempo quase perfeito.

Nos últimos anos Amarante transformou-se. Cedendo, também, a um certo caos (veja-se, por exemplo, o caos arquitectónico), sacrificando-se por essa avassaladora dinâmica da inevitabilidade, do enriquecimento fácil, da ilusão da felicidade a qualquer preço.
Retomando as palavras do «fado exquis», o que fazer, então, contra esta velocidade, contra este ruído?
Temos passado, somos ricos. Na Literatura temos um Teixeira de Pascoaes. Na Pintura temos um Amadeo de Souza-Cardoso. E muito mais. Porque a Fotografia é hoje uma arte nobre, podemos dizer que temos agora um Eduardo Teixeira Pinto na Fotografia.
Gageiro (Eduardo Gageiro, um dos fotógrafos do 25 de Abril), propõe uma rua para o Eduardo. Nós, que respiramos ainda, que povoamos o Largo de S. Gonçalo (um dia já não nos veremos mais por lá - e não nos incomoda pensarmos nisso?), temos essa e mais - e maiores - responsabilidades.
Como há 200 anos, temos que defender outra vez a ponte. Uma outra ponte, é certo: uma ponte para atravessar esta esquina, para levar às gerações futuras o rio do Eduardo, a névoa do Eduardo, as lavadeiras e as velhas azenhas, as feiras antigas e os negociantes de gado, a luz matinal, os reguilas e os barcos, o Tâmega límpido ou em chamas.
Em suma, Amarante precisa de um Museu da Fotografia. Eu diria mesmo: Amarante precisa, urgentemente (porque para isto é-nos permitido reclamar urgência), de um Museu da Fotografia com o nome de Eduardo Teixeira Pinto. Se não formos capazes, a nossa geração não entregará nada de significativo (de verdadeiramente perfeito) aos nossos filhos.

Antero de Alda
18 de Dezembro de 2010.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Exposição de Fotografia de Eduardo Teixeira Pinto na Biblioteca Florbela Espanca

Encontra-se patente até ao final do mês de Dezembro, a Exposição de Eduardo Teixeira Pinto, na Biblioteca Municipal de Matosinhos.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Exposição de Fotografia de Eduardo Teixeira Pinto na Festa da Poesia

ENCONTROS COM POETAS. ENCONTROS COM MÚSICOS. PERFORMANCES DE POESIA. MÚSICA. EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIA. TEATRO. OFICINAS.
* Dias 6, 7 e 8 de Dezembro 2010 *

Sob a égide da poesia e da sua celebração, a Câmara Municipal de Matosinhos prestará tributo à Cultura e a algumas das suas mais diversas expressões, num evento que decorrerá nos próximos dias 6, 7 e 8 de Dezembro, na Biblioteca Municipal Florbela Espanca, e que se consumará na sua 6ª. Festa da Poesia.
Encontros com poetas e músicos, performances de poesia, música, uma exposição de fotografia, teatro e oficinas de escrita criativa, são algumas das diferentes formas de poder sentir esta Festa.
Com uma admirável adesão por parte de um público intergeracional e heterogéneo, as 5 edições anteriores da Festa da Poesia registaram a presença de nomes como Nuno Júdice, Luísa Ducla Soares, António Torrado, Camané, Sérgio Godinho, Jorge Palma, Rão Kyao, J.P. Simões, Leonor Seixas, Ruy de Carvalho, Paula Meehan (Irlanda), Claude Guerre (França), Abdelilah Suisse, Conceição Lima (S.Tomé), Luís Carlos Patraquim (Moçambique), Júlio Pereira, Mariano Deidda, Manuel Freire ou Ana Moura.

Terça Feira dia 7
19.00h Inauguração da Exposição de Fotografia do Mestre Eduardo Teixeira Pinto BMFE

Read more: GAIVOTA MARIA http://gaivotamaria.blogspot.com/#ixzz17N7EIhhG